Desligamento do sinal analógico da TV chega à reta final

Em nova reunião de trabalho realizada nesta quinta-feira (25/11), na sede da AERP, emissoras de TV discutiram as etapas finais do desligamento do sinal analógico, previsto para o dia 31 de janeiro em Curitiba e outras 26 cidades da região. As informações foram apresentadas por André Dias, representante da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT) no Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (GIRED), que coordena o processo de digitalização da TV aberta no país.

Relatando as experiências vivenciadas por outras cidades em que o sinal já foi desligado, Dias lembrou que o desligamento é obrigatório e será determinado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) se a taxa de domicílios aptos a receber o sinal digital alcançar o índice de 93% na próxima semana (podendo ser considerada a margem de erro de três pontos percentuais).

A informação será divulgada no dia 30 de janeiro, em Brasília, quando serão apresentados os dados da última pesquisa realizada com os moradores de Curitiba e região. “Se atingirmos o índice mínimo, o Ministério emitirá um ato determinando o desligamento do sinal analógico e as emissoras deverão cumpri-lo a partir das 23h59 do dia 31”, explicou.

Caso o percentual não seja atingido, o MCTIC prorrogará o prazo até que se alcance o número mínimo. “Temos que ter a garantia absoluta de que o desligamento ocorra com segurança”, analisou.

Benefícios da digitalização

Dias lembrou que o sinal digital já está disponível no Brasil há vários anos e destacou os benefícios que os telespectadores terão com a mudança. “Com a TV digital temos melhor som, melhor imagem e tudo isso de graça, hoje e sempre”, ressaltou.

“O Brasil hoje é referência mundial nessa área e temos países de várias partes do mundo interessados em conhecer o modelo que estamos adotando aqui, que teve sucesso graças à união entre as emissoras”, destacou.

A participação da AERP na digitalização das TVs do Paraná foi destacada pelo diretor jurídico da entidade, Michel Micheleto. “A AERP foi palco de debate entre as emissoras durante todo o processo, assegurando que tudo ocorresse com serenidade”, afirmou.

Também participaram do encontro representantes da ANATEL em Curitiba.

Fonte: AERP

.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *